Desfraldar uma criança não é uma tarefa que se faz de um dia para outro, pelo contrário. O desfralde é um processo que vai muito além da maturidade neurofisiológica e emocional da criança. Ele também é atravessado pelas experiências sensório-afetivas que acontecem já nas primeiras trocas de fralda, pelas vivências que a criança experimenta para além do trocador e pelas crenças e valores familiares e culturais.

Sendo um processo iniciado desde o comecinho da vida, não faz muito sentido apresentar às crianças livros sobre a retirada das fraldas e uso de penico ou vaso sanitário apenas quando elas começam a esboçar sinais de que o adeus às fraldas está próximo.

A literatura sobre a retirada das fraldas e o uso do penico ou vaso sanitário deve ser incluída no cotidiano das crianças na primeiríssima infância (0 a 3 anos) para que elas possam se familiarizar com o tema de maneira prazerosa, independente do momento de seu desenvolvimento. Isso evita, inclusive, que a leitura de livros que abordem esta temática seja recusada ou tida pela criança como pressão quando o treino esfincteriano é iniciado ou se depara com contratempos não imaginados.

Através das histórias, a criança se identifica com o personagem, transformando a narrativa do livro em sua também.

Guido Van Genechten, Mij Kelly & Mary Mc Quillan e Benoit Charlat, com seus personagens-animais (ou seriam personagens A-NI-MAAAIS, de tão incríveis que são?!), garantem boa diversão e aproximação à uma realidade que não deixa de fora nenhuma criança, família e escola, a realidade de que um dia as fraldas passam a fazer parte do passado!

Cadê meu penico?, de Mij Kelly, ilustrações de Mary Mc Quillan, Companhia das Letrinhas.

Cocô no trono, de  Benoit Charlat, Companhia das Letrinhas.

O que tem dentro da sua fralda?, de Guido Van Genechten, Brinque-Book.

Um presente incrívelde Guido Van Genechten, Brinque-Book.

Quatro clássicos incríveis. Difícil dizer qual o melhor.

 

Texto escrito por Patrícia L. Paione Grinfeld.

A Patrícia é psicóloga (PUC-SP), com pós-graduação em psicoterapia de casal e família (PUC-SP) e em psicanálise na perinatalidade e parentalidade (Instituto Gerar). Cursa especialização em estimulação precoce/clínica transdisciplinar do bebê (Instituto Travessias da Infância, Centro de Estudos Lydia Coriat-SP e UniFVC). Foi sócia-fundadora e integrante da equipe do Instituto Therapon Adolescência. Da atuação na saúde mental, migrou para a área comercial, trabalhando com atendimento ao cliente e comércio eletrônico. Em 2004 a carreira ficou de lado para dedicar-se à família. No retorno às atividades profissionais, além da atuação clínica, foi técnica do Programa Palavra de Bebê do Instituto Fazendo História. Desde 2012 é sócia-fundadora da Ninguém Cresce Sozinho.