Ninguém Cresce Sozinho | Textos técnicos
17169
page-template,page-template-full_width,page-template-full_width-php,page,page-id-17169,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-9.5,wpb-js-composer js-comp-ver-4.12,vc_responsive
 

Textos técnicos

Um pouquinho de nossa experiência profissional através de trabalhos apresentados em congressos, colóquios, simpósios e afins.

Reflexões sobre possíveis efeitos da virtualização na parentalidade a partir de comentários recebidos no blog Ninguém Cresce Sozinho

Trabalho  apresentado em 15/09/2018 no V Colóquio de Psicanálise com Crianças do Instituto Sedes Sapientiae  sobre possíveis efeitos da virtualização na parentalidade a partir de comentários recebidos no blog Ninguém Cresce Sozinho.

A construção da função materna nas situações em que o recém-nascido é diagnosticado com uma patologia crônica

Trabalho apresentado no IV Encontro Internacional e XI Encontro Nacional sobre o Bebê (ABEBE – Associação Brasileira de Estudos sobre o Bebê) em 29/04/2018, sobre o processo de estabelecimento da função materna nas situações em que o recém-nascido é diagnosticado com uma patologia crônica.

Oficinas lúdicas: um dispositivo de cuidado na perinatalidade e na primeira infância

Trabalho apresentado na III Jornada da Clínica 0 a 3 da Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo, realizada em 18/03/2017. Tal trabalho contempla algumas reflexões acerca das oficinas lúdicas com crianças até 3 anos realizadas por esta rede, de modo a destacá-las como um dispositivo de troca de saberes, fortalecimento da rede social de suporte, intervenção na relação pais-bebê e promoção de saúde na perinatalidade – portanto, um instrumento que pode contribuir com o processo de subjetivação do bebê e de construção da parentalidade

Representações sociais da maternidade e função parental: das sociedades estáveis aos blogs maternos

Trabalho apresentado no IV Colóquio de Psicanálise com Crianças do Instituto Sedes Sapientiae em 26/08/2016, contempla algumas reflexões acerca da utilização e das representações que os blogs maternos e outras comunidades virtuais têm ocupado na construção da função materna nos dias atuais. 

Quem se agarra a quem, a quê e para quê?

Trabalho apresentado no III Encontro Internacional e X Encontro Nacional sobre o Bebê (ABEBE – Associação Brasileira de Estudos sobre o Bebê) em novembro/2015, traz, a partir da observação de blogs e grupos em redes sociais escritos por mães, uma breve reflexão sobre o quanto algumas práticas parentais que visam o fortalecimento do vínculo com o bebê parecem, em alguma medida, responder à fantasia de completude e à angústia de separação maternas, podendo, assim, dificultar o corte necessário para o processo de subjetivação do bebê. 

Compartilhe este artigo