Ninguém Cresce Sozinho | vínculos afetivos
158
archive,tag,tag-vinculos-afetivos,tag-158,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode-theme-ver-9.5,wpb-js-composer js-comp-ver-4.12,vc_responsive

Por Patrícia L. Paione Grinfeld Os jargões diagnósticos estão na “boca do povo”. Assim, não é de se estranhar que, com a chegada do bebê, a mulher, tomada por um amontoado de novas experiências e sentimentos quase sempre contraditórios e incômodos, seja prontamente “classificada” (por ela mesma, pela família, pelos amigos, enxeridos ou especialistas) com o benigno baby blues ou com...

Por Vitória Regis Gabay de Sá* Quando convidada a escrever sobre a primeira infância desde a perspectiva da escola por uma colega da Ninguém Cresce Sozinho, logo me lembrei do ditado africano que diz que é necessária uma aldeia inteira para criar uma criança. Afinal, ninguém cresce sozinho! Especialmente nos centros urbanos, a escola de educação infantil faz o papel de aldeia,...

Por Patrícia L. Paione Grinfeld Quem transita pelo universo parental já deve ter se deparado com a frase: “mais vale a qualidade do que a quantidade de tempo dispendido com os filhos”. Deve, também, ter ouvido algo em torno da ideia de que “qualidade só é possível diante de certa quantidade de tempo”. Estejamos de um lado ou de outro, podemos dizer...

Por Silvia Bicudo Uma questão que se apresenta com frequência quando pensamos no desenvolvimento e educação infantil diz respeito a como fazer com que a criança pequena se desenvolva dentro dos parâmetros familiares e sociais. Em outras palavras, como fazer para que uma criança cresça obedecendo às regras, combinados e códigos, sejam eles estipulados dentro do microcosmo familiar, como a sequência...

Por Carla A.B. Gonçalves Kozesinski e Patrícia L. Paione Grinfeld A legalização da separação matrimonial, e do divórcio, ocorridas há algumas décadas em nossa sociedade, permitiu novos e distintos arranjos familiares. Contudo, apesar dessas mudanças, ainda escutamos em diferentes circunstâncias e meios que Fulaninho apresenta tal e qual comportamento porque os pais se separaram ou são separados. Por mais que a vida...

Por Silvia Bicudo Quando vemos um bebê pegando um objeto, sentando sem apoio, engatinhando, ou uma criança correndo e pulando, temos a impressão de que as conquistas motoras se dão naturalmente através do crescimento infantil. Todavia, o desenvolvimento motor não está garantido pela passagem dos anos, nem atrelado apenas às faixas etárias, como estamos acostumados a pensar e, muitas vezes, encontrar...

Por Patrícia L. Paione Grinfeld Não temos dúvidas sobre as mudanças fisiológicas que ocorrem com o corpo da mulher na perinatalidade, período compreendido da concepção até aproximadamente o primeiro ano após o parto. Visíveis através das transformações corporais, tais mudanças estão na pauta de atenção e discussão sobre os fenômenos físicos que ocorrem na gestação, no parto e no puerpério, pela...

Por Carla A. B. Gonçalves Kozesinski Para muitos pais adotivos e pretendentes à adoção, a necessidade de contar ao filho sobre a adoção gera muita ansiedade e insegurança. Esses sentimentos podem ser vividos de forma tão intensa que alguns pais acabam protelando, ou não contando. Na minha experiência com essas famílias, verifico que os principais entraves estão relacionados a três aspectos: contar...

Por Silvia Bicudo A sistematização de alguns sintomas psíquicos sob o nome de autismo foi proposta por Leo Kanner em 1943. De lá para cá diversas áreas da saúde vêm se dedicando ao seu estudo e pesquisa, sendo este um tema que provoca divergências marcantes no modo como os diferentes profissionais (neurologistas, pediatras, psiquiatras, psicólogos, psicanalistas, entre outros) compreendem sua causa...

Compartilhe este artigo