Ninguém Cresce Sozinho | Maternidade
30
archive,paged,category,category-maternidade,category-30,paged-2,category-paged-2,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode-theme-ver-9.5,wpb-js-composer js-comp-ver-4.12,vc_responsive

Por Patrícia L. Paione Grinfeld Não temos como fazer de conta que a sexualidade não existe nas crianças; ela está no corpo, na fala, nas brincadeiras. Mas quando observamos e reconhecemos sua expressão, muitas vezes somos tomados por sentimentos e ideias confusas e contraditórias. A angústia nos toma e as reações podem ser as mais diferentes possíveis, desde ficar paralisado...

Por Carla A.B. Gonçalves Kozesinski e Patrícia L. Paione Grinfeld A legalização da separação matrimonial, e do divórcio, ocorridas há algumas décadas em nossa sociedade, permitiu novos e distintos arranjos familiares. Contudo, apesar dessas mudanças, ainda escutamos em diferentes circunstâncias e meios que Fulaninho apresenta tal e qual comportamento porque os pais se separaram ou são separados. Por mais que a vida...

Por Patrícia L. Paione Grinfeld Não temos dúvidas sobre as mudanças fisiológicas que ocorrem com o corpo da mulher na perinatalidade, período compreendido da concepção até aproximadamente o primeiro ano após o parto. Visíveis através das transformações corporais, tais mudanças estão na pauta de atenção e discussão sobre os fenômenos físicos que ocorrem na gestação, no parto e no puerpério, pela...

 Por Silvia Bicudo No contexto da maternidade, as discussões acerca da amamentação são tão polêmicas e controversas quanto as questões que atravessam os diferentes tipos de parto (vaginal ou cesárea). Tais discussões, presentes no âmbito da saúde pública, nos consultórios médicos particulares e nas mídias sociais, geralmente gravitam ao redor de correntes como a da livre demanda em contraposição à amamentação...

Por Patrícia L. Paione Grinfeld Final e começo de ano sempre é época de balanço. Desejo de um ano melhor, de que o que foi bom se mantenha ou repita, e o que foi ruim seja enterrado e não volte para assombrar. Há quem faça faxina, na esperança de um ano mais leve, limpo e sem enrosco. Banho de mar, de...

Por Patrícia L. Paione Grinfeld Fim do ano potencializa a espera, os encontros e as despedidas, não necessariamente nessa ordem. Espera de mudança, de continuidade. Esperança. Encontros casuais, marcados, cancelados; conectados ou desconexos. Despedidas pela conclusão, pela impossibilidade. Rompimentos favoráveis ou nem tanto. Alguns com muito sofrimento. Milton Nascimento canta: “a hora do encontro é também, despedida”. Inevitavelmente. Ficamos juntos para podermos nos separar e nos separamos para podermos ficar...

Por Carla A. B. Gonçalves Kozesinski A partir da escuta de puérperas, em atendimentos grupais ou individuais, como nas redes sociais virtuais, observo que os aspectos mais ressaltados da maternidade hoje em dia não se referem à plenitude vivida nesse momento – como comumente se imaginou durante tanto tempo  –, mas sim, às dificuldades enfrentadas a partir do nascimento de um...

Por Patrícia L. Paione Grinfeld O uso da chupeta divide opinião entre pais e especialistas, não apenas no que se refere às questões mecânicas e funcionais, mas também em relação aos aspectos emocionais envolvidos. Alguns alegam que seu uso é prejudicial, especialmente nos primeiros meses de vida, por atrapalhar a pega do bico no aleitamento materno e, portanto, a produção de leite – tal pressuposto...

Por Patrícia L. Paione Grinfeld A criação dos filhos é influenciada por histórias pessoais, mas também pelo contexto sociocultural no qual estamos inseridos.  Isso explica, ao menos parcialmente, algumas tendências “atuais” de criação dos filhos, vistos por alguns como modismo. Entre elas, destaco o parto natural, a amamentação (prolongada), a cama compartilhada, o uso de slings e o método de higiene natural/EC (elimination...

Por Patrícia L. Paione Grinfeld O que está em jogo na pergunta título deste texto não é a gramática, mas o sentido desses adjetivos na vida da criança. Não é difícil ouvir ou falar que fulaninho é maroto, grosseiro e indelicado a tal ponto que nem mesmo Madame Poças Leitão – a mais famosa professora de boas maneiras para a aristocracia...

Compartilhe este artigo