Ninguém cresce sozinho | Xixi no trono, cocô na fralda
19964
post-template-default,single,single-post,postid-19964,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode-theme-ver-9.5,wpb-js-composer js-comp-ver-4.12,vc_responsive

Por Patrícia L. Paione Grinfeld

Tenho acompanhado algumas mães e pais bastante angustiados porque seus filhos, à época do desfralde, aprendem com êxito a usar o vaso sanitário ou penico para fazer xixi, mas pedem a fralda para fazer cocô – ou o fazem na calcinha/cueca, ou mesmo no chão. Com raras exceções, há crianças que também retém o xixi:

“Quando coloco a fralda, nem chego a fechá-la direito e a pequena já vai soltando o xixi, às vezes faz cocô. Enfim, relaxa. Isso já dura uns três meses. Na escolinha todos os coleguinhas, inclusive os mais novos, já fazem as necessidades no vaso. Parece que ela é a única que teve essa dificuldade. Me sinto cansada e com a sensação de fracasso por não conseguir vencer esta etapa que para os outros pareceu tão simples”.

A maioria dessas crianças não tiveram o processo de retirada das fraldas iniciado em idade precoce, ou seja, antes dos 18 meses, quando a criança ainda não tem maturidade neurofisiológica para aprender a controlar os esfíncteres, músculos responsáveis pela retenção e expulsão das fezes e urina (não me refiro aqui às crianças submetidas ao treinamento assistido desde as primeiras semanas de vida – elimination comunication, em livre tradução, comunicação da eliminação, o qual se baseia na observação dos sinais de eliminação que emanam do corpo do bebê para que este possa ser colocado no penico ou vaso para fazer xixi ou cocô). Também, são crianças que não apresentam questões de natureza fisiológica ou alimentar passíveis de resultar tais comportamentos. Há aquelas que nunca usaram o sanitário, e outras que tiveram êxito no uso do vaso ou penico, mas, sem motivo aparente, recuaram, independente de fazer uso da fralda noturna:

“Meu filho tem 4 anos e 4 meses, não usa mais a fralda para o xixi, nem a fralda noturna, mas nunca fez cocô no vaso ou penico, nem uma única vez. Sempre pede a fralda e se eu não a coloco ele se segura, consegue ‘trancar’ por vários dias. Ele já chegou a ficar 8 dias sem evacuar, até a gente ceder e colocar a fralda novamente e aí sente muita dor. Ele não faz na cueca, e esteja onde estiver, segura até voltarmos para casa para colocar a fralda e se trancar no quarto”.

“Antes ele pedia para fazer cocô, mas de uma hora para a outra começou a evacuar na roupa e nem gosta que eu o toque no momento que está fazendo cocô, pois o convido para ir ao banheiro, ele até segura de tanto medo”.

Mudanças significativas na vida da criança, como o nascimento de irmão ou a entrada na escola, podem dar uma bagunçada no processo de desfralde, resultando em escapes, retenções e retrocessos. Todavia, os pontos que aqui apresento recaem sobre as situações em que aparentemente tudo corre bem com a criança, com exceção à recusa em usar o vaso sanitário ou o troninho para fazer cocô – e mais raramente, xixi.

Embora des-fraldar signifique separar-se das fraldas, não é apenas esta separação que está em jogo. O processo de desfralde implica em mudanças na relação da criança com o próprio corpo e do adulto com o corpo da criança. Tais mudanças devem permitir que a criança possa fazer aquilo que ela já é capaz de fazer por si só, o que, invariavelmente, resulta em um grau maior de independência; portanto, separação, em relação ao seu ambiente. Assim sendo, vale sublinhar que para que o desfralde possa ser iniciado e prossiga da maneira mais tranquila possível, é fundamental que o adulto possa estar atento à estas mudanças e às situações nas quais a criança já pode fazer suas coisas por conta própria. O desfralde dá à criança mais autonomia, mas ele só tem êxito se a criança puder ser autônoma naquilo que seu desenvolvimento já a permite fazer. De nada adianta dispender todos os esforços para ela deixar as fraldas, se ela não pode, por exemplo, alimentar-se ou vestir-se sozinha, guardar seus pertences à sua maneira, explorar seu próprio corpo, entre outros.

Para além das marcas singulares presentes na relação adulto-criança no que tange a separação e a autonomia – as quais só temos acesso conhecendo a família em questão –, encontramos, com certa frequência entre as crianças que apresentam dificuldade para fazer uso do vaso ou penico, a fantasia de que as fezes são extensão de seu corpo. Isso pode ser observado pelo temor do barulho da descarga ou pelo medo de cair na privada ou perder parte de si.  Em geral estas crianças ainda precisam da permanência do objeto para poder se separar dele, pois do contrário ficam muito angustiadas:

“Todas as vezes que ele tentou fazer cocô, ele chorava; era muito desconfortável para ele. Acredito que ele não faz porque sente dor ou acha que o cocô é dele. No final fizemos pressão demais, tadinho. Conversei com meu marido e resolvemos deixar no tempo dele, sem pressões, para ver como ele reage. Estimular sem pressionar; se tiver que ser na fralda ou na cuequinha, tudo bem. Porque está ficando muito séria a coisa, às vezes ele prende até o xixi”.

Diante dessas situações, o melhor é não forçar a barra da criança, dizendo que isso é tolice ou algo do gênero – para ela não é. No pensamento da criança, se “coisas” podem passar pelo vão que leva ao esgoto, então bens estimados, como o cocô, ou ela própria, a criança, também poderão passar por lá. Evitar acionar a descarga na frente da criança ou imediatamente após o descarte do cocô costumam ser boas opções para as crianças que temem o barulho da água descendo pela caixa sanitária e indo esgoto afora. Para as que receiam cair no vaso, pode-se oferecer um penico ou um redutor de assento e mostrar, a partir da colocação de um objeto grande, que ele não passa pelo vão que leva ao esgoto. Para as crianças que têm dificuldade em se separar do cocô e/ou que buscam entender o que acontece com ele depois de dada a descarga, uma possibilidade é deixá-la colocar um pedacinho de papel higiênico no vaso e dar descarga. Quando se separar do cocô é uma tarefa difícil, uma alternativa é ficar ao lado da criança para que ela possa se despedir dele, dando o clássico tchau para o cocô. Embora essas dicas possam ser úteis, vale sempre lembrar que cada situação é muito particular, e por vezes podem ser necessárias mais de uma ação ou estratégia para ajudar a criança a passar por esse processo.

Há crianças que topam se sentar na privada ou no penico, conseguem urinar, mas não conseguem evacuar. Como a urina se mistura com a água da privada, nem que seja no momento do seu descarte, a criança não vivencia seu xixi como uma “perda” e, por isto, não enfrenta a mesma dificuldade enfrentada com o cocô.

Sem conseguir defecar na privada ou penico, essas crianças costumam solicitar uma fralda para que nela possam evacuar. Quando a oferta da fralda é vetada, restam-lhe algumas alternativas: evacuar na fralda noturna (hábito antes inexistente), na cueca/calcinha, no chão ou, a pior de todas, reter as fezes a ponto de, em casos extremos, a criança necessitar fazer uso de supositório ou lavagem intestinal. Na retenção das fezes as mesmas ficam endurecidas, podendo causar dor ou mesmo fissura anal. Caso a criança relate dor ao evacuar é importante fazer uma avaliação médica, inclusive para verificar se há necessidade de alteração na dieta alimentar ou mesmo indicação de uso de óleos minerais ou medicamento.

Enquanto a recusa para usar o “trono” é temporária, os adultos em geral suportam-na. Mas, aos poucos, conforme as alternativas de negociação se esgotam, a situação vai se tornando insustentável, especialmente para os pais, que se sentem cansados, fracassados e impotentes diante de uma situação que parece não ter saída diferente de aguardar o amadurecimento da criança. O estresse toma conta de todos. A pressão diante da criança pode aumentar e o objetivo de deixar as fraldas não ser atingido. Cabe-nos, então, a pergunta: Quem deseja que o cocô seja feito no “trono” e por quê? Certamente a resposta será o adulto, responsável por transmitir à criança a norma social, e que se vê diante de cobranças que se mostram principalmente pelas comparações ou pela equivocada ideia de que a criança que não deixa as fraldas é menos esperta, inteligente e capacitada.

Apesar de a recusa em fazer cocô na privada ou no penico apresentar significados particulares para cada criança e família, não podemos esquecer que o controle dos músculos esfincterianos é uma experiência de controle – físico, mas também emocional – vivida intensa e prazerosamente por todas as crianças. Não nos esqueçamos, também, que xixi e cocô são nossas únicas produções que ninguém “tira” da gente, a não ser de modo muito invasivo. Por isso, por mais que o uso do troninho possa ser ensinado, somente a criança será capaz de decidir quando, onde e se quer fazer xixi e cocô a partir do desejo do outro e/ou nos lugares determinados pela cultura.

Se de um lado tentamos ensinar uma regra sem desrespeitar o tempo e as características da criança, de outro, corremos o risco de deixar que o tempo cronológico se encarregue de uma situação que, em geral, aponta para uma dinâmica em que a criança teme perder o controle que descobriu ter, não apenas no que se refere aos esfíncteres, mas principalmente de suas outras experiências. Como este é um dos pontos centrais entre as crianças que fazem cocô na fralda, cuidado: quanto maior a pressão, maior será a resistência da criança em deixar a fralda, já que esta é uma maneira de lutar pelo exercício de seu próprio controle e autonomia. Em outras palavras, se a criança vive o controle como vindo de fora, ela irá se opor a isto na tentativa de afirmar que quem quer e pode controlar é somente ela.

Diferentemente do uso do vaso sanitário ou penico, a fralda não apresenta à criança nenhuma ameaça. Ela é conhecida. Dá a segurança necessária para relaxar e evacuar. Ao pedi-la, a criança tem uma atenção diferenciada no momento do pedido, atenção esta que ela pode temer perder. Ao mesmo tempo, na fralda, o cocô continua junto ao seu corpo, mesmo que por um tempo mínimo, não ficando escancarado ao olhar da criança e de quem está com ela, ativando a possível fantasia de que uma “parte sua” se desprende de seu corpo. Além disso, estando o cocô na fralda, a criança tem a chance de presentear quem ama com sua “obra” e, por consequência, em sua fantasia, garantir esse amor.

Seja qual for o motivo subjacente ao uso da fralda para fazer cocô pelas crianças que já conseguem controlar os esfíncteres, é importante que os adultos possam avaliar quais são seus temores e fantasias relacionados às situações de separação, bem como possam facilitar à criança reconhecer e falar sobre os seus. Disponibilizar para estas crianças materiais plásticos, que se transformam e permitem fazer melecas, como água, areia, terra, argila, tinta e massinha é de extrema riqueza, já que, ao explorar livremente estes materiais, a criança fica no controle da brincadeira, tendo autonomia para criar, produzir e ser protagonista de seu enredo. Brincadeiras com bonecos e histórias costumam facilitar a conversa, uma vez que o foco sai da pessoa da criança e vai para um personagem com o qual ela pode se identificar.

O desfralde é um processo que convoca adulto e criança a rever sua relação, o que, nesta faixa etária, inclui questões relativas à dependência e independência, estar junto e separado, ser bebê ou criança já grandinha. Para que ele possa ser vivido como crescimento e ganho de mais autonomia é preciso que algumas coisas possam ser deixadas para trás. Isso, às vezes, não é fácil. Isso, quase sempre, é o grande enrosco do desfralde.

Nota: Texto com o mesmo título foi publicado pela primeira vez em 17/06/2013 no antigo blog Ninguém Cresce Sozinho. Esta nova versão, contudo, mais do que uma revisão do texto anterior, traz novas informações e reflexões. As citações destacadas em itálico são falas de mães ou pais.

47 Comentários
  • Paula Nunes Paulo
    Postado às 08:04h, 26 maio

    Meu filho tem 6 anos e suja a cueca praticamente todos os dias, segura o cocô a ponto de vazar pelos lados. Ele senta no vaso só em casa. Mas as vezes segura mesmo estando no vaso. Não sei mais o que fazer!

    • Patrícia L. Paione Grinfeld
      Postado às 20:24h, 26 maio

      Paula, se quiser ajuda para pensar esta questão, nossa equipe oferece atendimento online ou no consultório de cada uma das psicólogas integrantes da rede.

  • Letícia Caires
    Postado às 12:35h, 03 maio

    Estou na mesma situação que todos relatam. Seria legal que retornassem também com as histórias de sucesso, para compartilhar. Certamente, vou seguir as orientações dadas aqui e, tão logo essa fase tenha passado pra nós, voltarei para compartilhar o caminho com vocês! É isso, ficaria muito feliz em ler as histórias de êxito também. Obrigada!

  • Jaqueline da Silva albado
    Postado às 07:03h, 07 abril

    Minha filha tem 2 anos e meio. Só faz o xixi no vaso. Nunca fez o coco. Eu sei qdo ela vai fazer mas ela não aceita ir para vaso ou penico. Já canta até em inglês. Não consigo entender. O único dia que insisti muito ela prendeu. Então vou ter que deixar no tempo dela…..

    • Patrícia L. Paione Grinfeld
      Postado às 09:49h, 09 abril

      Jaqueline, fazer uso do vaso implica em autonomia, não em competência intelectual ou algo do gênero, como cantar em inglês.

  • monica assis
    Postado às 10:29h, 21 março

    meu filho tem 4 anos nao faz coco no vaso so na cueca xixi tudo normal fico com vergonha espero ele no banheiro mais nao faz

    • Patrícia L. Paione Grinfeld
      Postado às 15:58h, 22 março

      Mônica, será que ficar esperando-o no banheiro não é um jeito de aumentar ainda mais a pressão para que ele faça cocô no vaso? O controle, que deve estar com a criança, acaba ficando com o adulto.

  • Katyelly de Souza Rodrigues
    Postado às 10:40h, 14 março

    meu filho tem 4 anos e 3 meses , tambem não faz coco no vazo nem no troninho , é só colocar a falda e ele faz , ja tentamos varios metodos diferente , ficou ate de castigo durante horas sentado no vazo , porem , sem sucesso, já estou entrando em desespero , nao sei oque fizemos de errado no desfralde dele. Preciso de ajuda .

    • Patrícia L. Paione Grinfeld
      Postado às 13:22h, 14 março

      Katyelly, no desfralde vale mais a autonomia da criança do que qualquer método! Em relação à ajuda, em que você quer ajuda?

  • Rose
    Postado às 23:53h, 27 fevereiro

    OLÁ, meu filho em 5 anos e 9 meses ,tem problemas para fazer as feses no vaso,já passou por um espcialista ,gastrio, está passando com o piscicólogo ele ainda não concegue faser no vaso,sempre pergunto se quer ir ao banheiro então ele vai na área lá fora e faz na roupa e reclama que sentiu dor .

    • Patrícia L. Paione Grinfeld
      Postado às 08:00h, 28 fevereiro

      Rose, bom que seu filho está sendo assistido por gastro e psicólogo. Importante que além desses cuidados ele tenha a possibilidade de livre exploração de materiais como água, areia, argila, tinta, terra, e autonomia para fazer aquilo que é capaz (ou poderia ser) de fazer sozinho.

  • Ivone Paraíso
    Postado às 03:56h, 27 fevereiro

    Não sei mais o que fazer meu filho prende o coco passa uma semana com dor cólica o coco querendo sair e ele não deixa segura só solta quando eu pego ele e faço ele fazer e um estresse não sei mais o que fazer estou triste já tentei de tudo e nada

    • Patrícia L. Paione Grinfeld
      Postado às 13:39h, 27 fevereiro

      Ivone, já pensou em procurar um profissional que possa ajudar-lhes a compreender isso que parece uma “guerra de forças”?

  • Rose Rodrigues
    Postado às 09:04h, 29 janeiro

    Bom dia! Li todos os comentários e o problema do meu filho de 3 anos e 2 meses Tb é o número 2. Ele faz xixi sozinho,da descarga e lava as mãos sozinho, mas pra fazer cocô ele faz na cueca, nao pede fralda. Vi sua recomendação quanto à criança ser mais independente, isso facilitaria? Me explica melhor isso, de ele brincar com melecas, tipo argila, areia e massinhas.
    Ele come rara vezes sozinho, geralmente tenhonque por comida na boca dele, isso seria um dos empecilhos? A não autonomia pra comer?

    • Patrícia L. Paione Grinfeld
      Postado às 20:34h, 29 janeiro

      Rose, o uso do vaso sanitário exige da criança autonomia. Mas, quando falamos em autonomia, nos referimos a todas as coisas que a criança é ou deveria, pelo seu desenvolvimento motor e emocional, ser capaz de fazer sozinha ou com o mínimo de supervisão. Em relação às melecas, são experiencias sensoriais importantes para a criança – “relaxa”, deixa-a livre para experimentar, fazer de um jeito não determinado pelo brinquedo ou pelo adulto.

  • Jacqueline santos
    Postado às 14:04h, 17 janeiro

    olá… meu filho está com 3 anos, ele faz xixi na privada, ou mictório infantil, que foi um grande aliado no processo do desfralde, pois deu total autonomia para que ele mesmo fosse sozinho e desse conta de fazer sem precisar me solicitar sempre. ele mesmo tira a roupa e depois pede ajuda para vestir. ontem pediu para retirar a fralda noturna e dormiu sem fralda, foi muito bem.
    porém a parte do coco, está bem complicada, pois ele não da sinal nenhum que deseja sentar na privada.. na verdade ele faz em pé, não se abaixa, não se esconde, não pede fralda. simplesmente, para, fica quieto e não gosta de ser incomodado, todas as vezes que tentamos leva-lo para o vaso, ele não quer, pede para descer, cortando sua vontade de evacuar, então, parei de interrompe-lo neste momento. tento manter a calma, mostrou para ele o coco sendo jogado no vaso, ele sempre solicita a apertar a descarga, e chora se eu não deixo apertar… mas se recusa totalmente a sentar no vaso. tenho a disposição dele penico, assento redutor com escadinha, que também garante a autonomia dele e mesmo assim nada. so quer fazer em pé.. nem ficar na posição sentado mesmo de cueca . somente de pé.. tenho lido inúmeros textos… estou trabalhando com o livro o que tem na minha fralda com ele.. ele amou.. mas ainda não surtiu efeito. tento deixa-lo usar sua autonomia ao máximo.
    trabalho na área de educação, e mesmo assim estou bem preocupada, quando sentimos na pele tudo que orientamos e as respostas dos estímulos não vem, torna-se desesperador.. mas tento sempre encoraja-lo sem pressão. mas minha cabeça está a mil.. tenho sofrido um pouco com isso. estou tentando controlar minha ansiedade.
    mas está complicado..
    teria alguma sugestão?? o que posso estar fazendo de errado?? será estimulo demais ou de menos??

    ufaaa kkkk

    • Patrícia L. Paione Grinfeld
      Postado às 14:23h, 22 janeiro

      Jacqueline, sem conhecer a criança e sua família fica muito difícil dizer alguma coisa além do que dissemos no texto e nos comentários dele. Se sua ansiedade estiver grande demais, é interessante que você possa buscar um espaço para poder falar dela. Assim, diminuem as possíveis chances dela se transformar em pressão sobre seu filho. No desfralde, o controle deve estar com a criança!

  • Roberta pontes Penque
    Postado às 23:34h, 08 janeiro

    Estou desesperada. Não sei oq fazermos já usei vários argumentos mas o coco é o dia todo.. faz força e sai um.oiuco na cueca.. já pediu várias vezes pra ir ao banheiro. Mas de uns tempos pra cá tudo mudou. Xixi foi tão fácil… Ele já tem 4 anos e meio e sei oq fazer. Na escola é 3, 4 cuecas por dia. Não sei o q fazer, nem.oq falar. Já fiquei calma, já fiquei nervosa, já gritei… Mas não sei…. Me ajudem!

    • Patrícia L. Paione Grinfeld
      Postado às 11:31h, 09 janeiro

      Roberta, você já conversou com o pediatra sobre esta questão? Geralmente, estes pequenos escapes melhoram muito quando há ajustes na dieta alimentar da criança e introdução de algum medicamento (muitas vezes natural) que ajude a melhorar a consistência das fezes.
      Do ponto de vista psicológico, é importante avaliar se a criança está tendo autonomia suficiente para fazer as coisas que ela já é capaz de fazer sozinha, se ela tem podido brincar livremente ou se ela tem sofrido pressão/estresse no seu dia a dia.

  • Luciene Gomes
    Postado às 14:12h, 04 janeiro

    Por favor me ajude! Meu filho de 3 anos e 4 meses já saiu da fralda até da noturna mas o coco se recusa a fazer no vaso ou no penico. Tentei o quadro de recompensas, tento negociar, as vezes ele até senta no vaso mas não faz coco, só se for na fralda! Como faço? Muito obrigada!

    • Patrícia L. Paione Grinfeld
      Postado às 20:19h, 05 janeiro

      Luciene, não existe uma fórmula de como fazer. Sugiro que além do texto você leia os comentários, onde já foram dadas várias dicas do que é recomendável fazer nessas situações.

  • Mirelli Fernandes Leme
    Postado às 20:21h, 02 janeiro

    Meu filho tem 4 anos e 9 meses, o xixi, ele faz na privada sem problemas, porém o.coco… Não tem acordo ele fez uma vez no vaso fizemos “festa” dandobate o tchau ao.coco, mas, agora quer fazer de jeito algum….não sei mais o que fazer… Me sinto muito mal por tentar que ele faça na.privada… Ao mesmo tempo fico preocupada porque sem a fralda ele seguro até o.ponto de não aguentar a fazer na roupa….não sei aonde está meu erro… Ou o que preciso melhorar para ajudá lo a passar por esse processo.

    • Patrícia L. Paione Grinfeld
      Postado às 20:18h, 05 janeiro

      Mirelli, experimente deixar seu filho brincar o máximo possível com água, terra, areia, argila, tintas. Não espere que ele produza nada especial com estes elementos, apenas os explore do jeito que for mais interessante para ele. Ao mesmo tempo, reveja na rotina de vocês quais são as atividades que ele poderia fazer sozinho e ainda recebe ajuda (ou ajuda demasiada).

  • Letícia Ila Bezerra
    Postado às 14:49h, 28 dezembro

    Meu caso é EXATAMENTE como relatado no texto! meu filho fez 5 anos semana passada e só faz cocô na fralda. Qdo ele tinha 2 anos e 2 meses comecei a desfaldá-lo, aá ele começou a trancar o cocô, trancava 2 dias, depois 3, 4… até que ficou 7 dias sem fazer, levamos ao hospital, pois ele chorava muito, pulava, gritava de dor…. teve que fazer uma lavagem. Foi horrível, tivemos que desistir do desfralde por mais uns meses, depois ele mesmo começou a tirar a fralda e ir ao banheiro fazer xixi, então tiramos a fralda novamente, depois do desfralde ele nunca usou fralda noturna, o desfralde do xixi foi muito fácil, mas o cocô… complicadíssimo, sem fralda ele voltou a trancar… então agora ele pede, coloco a fralda e ele faz cocô. Ele sente vergonha, pede bem baixinho pra colocar a fralda, se esconde e faz… me sinto frustrada e sou muito cobrada pela família. Já levei ele a psicólogos… e nada resolve.

    • Patrícia L. Paione Grinfeld
      Postado às 20:09h, 05 janeiro

      Letícia, ofereça a seu filho a possibilidade de brincar livremente com água, terra, areia, fazendo melecas, criando, inventando, sem imposições do ambiente. Em paralelo, reveja na rotina dele se há coisas que ele já é capaz de fazer sozinho, mas talvez não faça.

  • Geórgia Costa
    Postado às 10:40h, 21 dezembro

    Bom dia!
    Minha filha acabou de fazer 4 anos e temos a mesma dificuldade em relação ao coco na fralda. Xixi ela faz normalmente no vaso, inclusive é super independente com isso. Semana passada prometemos presente e ela fez, na sexta e no sábado, mas depois disso voltou a querer a fralda. A Deixei 3 dias sem fralda na esperança que a vontade iria lhe fazer pedir para ir ao banheiro mas nada. Estava agoniada e irritadinha que preferi colocar a fralda, ela sorriu e logo fez. Fiz errado em ter colocado? Será que atrapalhei o processo?

    • Patrícia L. Paione Grinfeld
      Postado às 08:35h, 22 dezembro

      Geórgia, será que dar condições para sua filha fazer cocô é errado? E qual processo estaria sendo atrapalhado?
      Sugiro que você faça um exercício de pensar quais situações da rotina da sua filha ela poderia ter mais autonomia do que tem. Também, importante que ela possa brincar livremente com água, terra, argila, areia, massinha – coisas que a permitam fazer meleca!
      Abraço, Patrícia.

  • RENATA AP DE SIQUEIRA VICTOR
    Postado às 20:47h, 18 dezembro

    Minha filha tem 3anos e 3 mês.e só faz coco na calcinha. Ela faz várias vezes no dia.mais muito pouco.e não gosta de FC suja me avisa p limpar.ja tentei várias coisas e nada.o xixi foi MT fácil ela faz no vaso normal mais o coco não estou conseguindo. Me sinto MT triste.ano que vem vai p escola eu não sei o que fazer

    • Patrícia L. Paione Grinfeld
      Postado às 10:41h, 19 dezembro

      Renata, você já conversou com o pediatra sobre sua filha fazer cocô várias vezes ao dia, em quantidades bem pequenas? Muitas vezes, alteração na dieta alimentar pode ajudar nesta situação.
      Em relação a ela não fazer cocô no vaso, é importante poder pensar em quais atividades cotidianas ela poderia ter mais autonomia (alimentação, troca de roupa, brincadeiras, etc.).
      Caso queira, dia 07 de fevereiro faremos uma roda de conversa online para tratar destas questões. Mais informações em nossa página no Facebook.
      Abraço, Patrícia.

  • Ana Paula Rodriguês
    Postado às 14:50h, 06 dezembro

    Meu Filho Ja vai fazer 7 Anos,E só faz cocô Na cueca,Meu deus até quando isso vai continuar assim,Me ajudem,No começo para não pressionar fui deixando mais ele ja vai fazer 7 anos,Ele nunca fez cocô no vaso,Quendo era pequenininho ele ficou ressecado e acabamos tirando um cocô enorme dele,Não sei se depois disso piorou,ele ja passou por pisicologo,e nada,Vai pra escola com 2 cuecas e 1 Shorts por baixo da calça,Ta muito.dificil,tive uma filha que esta hoje com 4 anos e ela faz normal.no vaso,Não axo que isso tenha atrapalhado mais ele,Porque ele nunca fez no vaso desde pequeno,Eu não.sei mais o que fazer..

    • Patrícia L. Paione Grinfeld
      Postado às 18:19h, 06 dezembro

      Ana Paula, é muito difícil oferecer alguma ajuda sem conhecer a criança. Seria interessante que seu filho fosse avaliado por um pediatra e também por um psicólogo (o mesmo ou outro profissional), já que esta situação pode trazer/estar trazendo sofrimento ao seu filho. Nesta idade as crianças costumam querer privacidade com o próprio corpo (e evacuar na calça é uma forma de exposição do corpo), bem como zombar colegas em circunstâncias que consideram “fora do padrão” (portanto, corre-se o risco de seu filho sofrer bullying pela situação).

  • Lilian Damin Ferreira
    Postado às 17:38h, 09 novembro

    Meu filho tem 3 anos e meio e além de não aceitar o vaso ou torninho ele só faz cocô em pé! Não aceita nem ficar de cócoras…
    E jamais posso toca-lo enquanto está evacuando. Sinto-me frustada!

  • mariane rebello
    Postado às 11:19h, 23 outubro

    olá, sou mais uma das mães desesperadas com a questão do número dois na fralda. Minha filha tem 5 anos e meio e ainda pede a fralda para fazer o coco. já está há 3 meses na psicóloga e nada.
    `Preciso muito de ajuda.

  • Solange de Mello Cardão
    Postado às 20:13h, 19 outubro

    Gostei muito deste texto. Meu neto tem 5 anos e há muito largou a fralda para xixi, e nunca usou a noturna, mas para cocô já tentamos de tudo, penico, redutor e ele só faz na fralda, quando forçamos a barra, ele reclama de dor na barriga, já ficou até 5 dias e quando colocamos a fralda ele faz. Já pressionamos duas vezes para ele fazer, mas não deu certo. E a nossa angústia e frustação não é diferente dos relatos acima…. enfim não sabemos como proceder mais… gostaria de uma ajuda.

    • Patrícia L. Paione Grinfeld
      Postado às 08:36h, 20 outubro

      Bom saber que gostou do texto, Solange! O texto traz algumas pistas do que costuma acontecer com as crianças nestas situações. Para uma ajuda que vá além do que é apresentado no texto, precisamos conhecer a história da criança e da família, o que só é possível num espaço privado de escuta. Caso tenha interesse em uma orientação, ela pode ser feita em meu consultório (São Paulo, bairro Perdizes) ou por Skype. Abraço, Patrícia.

  • Leila Cristina Ferreira
    Postado às 23:13h, 03 outubro

    Minha filha parou de usar fralda Col 1 ano e 3 meses, mas já tem 2anos e 6 meses e fica esperando coloca fralda para fazer cocô,ela faz xixi na privada até segura sozinha,não tem medo,mas o coco ta difícil

  • Andreiageraldapachecocustodio
    Postado às 09:37h, 02 outubro

    Meu filho tem 5anos ,nao faz coco no vaso, so na cueca ,me sinto cansada as vezes de lavar cueca,ele tem intestino preso o que faco

  • Felipe Macedo
    Postado às 10:24h, 29 setembro

    Olá, minha filha tem 5 anos e só faz cocô na fralda. Se não damos a fralda ela prende e pode ficar dias sem fazer. Como solução pensei negociar com um carrinho motorizado, ela só poderia andar nele depois que fizer cocô no vaso, mas lendo este post fiquei imaginando que esta estratégia pode não ser a mais adequada. Vou fazer uso da brincadeira com baby alive, novelinha e massinha. Vou colocá-la pra fazer cocô na fralda sentada no vaso e depois que fazer, jogar o cocô no vaso – eca kkk – e dar o tchauzinho.

    • Patrícia L. Paione Grinfeld
      Postado às 14:47h, 29 setembro

      Olá, Felipe! As experimentações são sempre válidas, desde que não sejam vividas pela criança como pressão de “ter que fazer cocô no vaso”!

  • Luciana Marinho Mol
    Postado às 18:24h, 17 setembro

    Boa noite, gostei muito do texto e me ajudou a compreender os possiveis motivos que levam minha filha a recusar a fazer xixi e cocô no vaso ou penico. Ela tem 3 anos, controla perfeitamente, pois pede a fralda pra fazer os 2. O xixi raramente escapa na calcinha e o cocô nunca escapou, já ficou 12h segurando xixi por nao querer fazer no vaso. Preciso de alguma ideia que ajude a convencê-la, pois ela nao aceita de nenhuma forma fazer fora da fralda, nem vendo os amiguinhos da escola, nem com promessa de premios, etc.. obrigada!

    • Patrícia L. Paione Grinfeld
      Postado às 13:54h, 18 setembro

      Bom saber que gostou do texto, Luciana! Será que o caminho é convencer sua filha de evacuar no vaso? A ideia de convencer contém, de alguma forma, um desejo e/ou expectativa do adulto que podem ser vividos pela criança como controle. Experimente dar à sua filha mais autonomia para ela fazer as coisas que ela já é capaz de fazer sozinha, e oferecer a possibilidade para ela explorar livremente tinta, água, terra, areia, argila, massinha. No desfralde, a criança precisa perceber que quem está no controle de fazer uso do vaso é ela e não o adulto.
      Abraço, Patrícia.

  • andreia valeria lourenço
    Postado às 10:49h, 09 maio

    Oi gostaria muito de receber mais informaçao sobre esse assunto.O meu filho vai fzaer 5 anos,e ate agora so quer fazer coco na fralda,ele pede pra botar a fralda e fax um berreiro se colocar ele no vaso.Confesso q ja estou cansada e esgotada desse assunto e me sinto um fracasso de mae.Alguem pode me ajudar por favor?

    • Patrícia L. Paione Grinfeld
      Postado às 11:45h, 09 maio

      Andreia, no blog, além deste texto, temos outros textos que abordam a questão do desfralde. Em situações como esta é importante que primeiramente se descarte qualquer questão de ordem fisiológica e/ou nutricional, e que se dê à criança condições para que ela possa brincar e explorar seu ambiente e a si mesma, assim como autonomia para ela fazer as coisas que ela já é capaz de fazer sozinha. Quando não há questões fisiológicas/nutricionais, ou quando as condições acima apontadas são ofertadas à criança, é interessante que um profissional possa escutar os pais para poder compreender a dinâmica familiar e da criança, para que, juntos, possam entender o que leva a criança ter este comportamento. Desta forma é possível pensar em intervenções que a ajude completar o processo do desfralde.

Compartilhe este artigo