Ninguém cresce sozinho | Livros que inspiram brincadeiras #2
19661
post-template-default,single,single-post,postid-19661,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode-theme-ver-9.5,wpb-js-composer js-comp-ver-4.12,vc_responsive

Por Patrícia L. Paione Grinfeld

Em outro texto falei sobre alguns livros que inspiram brincadeiras com caixas de papelão, lenço e jornal.

Para a criança qualquer objeto ganha vida quando ela é permitida explorá-lo. Um balde se transforma em cesta mágica. O coador, em chapéu com furinhos para o cabelo respirar. Um graveto, em varinha de condão. A cama dos pais, em pula-pula! Ou vai dizer que Isso não é brinquedo!

Ilan Brenman, responde, com o livro (Editora Scipione) que carrega em seu título a mesma pergunta!

E a comida que enrola para entrar na boca? Será que também não é brinquedo?

A criança precisa se alimentar, sabemos. Mas se ela não puder explorar o alimento quando é pequenina, será mais difícil a alimentação ser um momento de prazer. Brincar é descobrir e aprender, como bem lembra Dalcio Machado em Não brinque com a comidaEditora Companhia das Letrinhas.

Um brinquedo bacana não precisa ser aquele mostrado nos comerciais de TV. Ele pode estar nos cantos da casa, nos caminhos na rua, na simplicidade e no inusitado. Basta olhar com os olhos de uma criança para encontrá-lo e assim poder embarcar na exploração e na brincadeira. Tim Tim nos inspira como ninguém a fazer isso!

Nota: Este texto é uma adaptação do texto Livros que inspiram brincadeira, publicado pela primeira vez em 16/12/2013 no antigo blog Ninguém Cresce Sozinho.

2 Comentários
  • Valdirene Garcia Ciola
    Postado às 16:14h, 17 maio Responder

    Lindo vídeo!
    Alberto Caieiro puro:
    “O meu olhar é nítido como um girassol.
    Tenho o costume de andar pelas estradas
    Olhando para a direita e para a esquerda,
    E de vez em quando olhando para trás…
    E o que vejo a cada momento
    É aquilo que nunca antes eu tinha visto,
    E eu sei dar por isso muito bem…
    Sei ter o pasmo essencial
    Que tem uma criança se, ao nascer,
    Reparasse que nascera deveras…
    Sinto-me nascido a cada momento
    Para a eterna novidade do Mundo…”

Postar um comentário

Compartilhe este artigo