Ninguém cresce sozinho | O tênue limite entre conectar-se ao bebê e colar-se nele
19644
post-template-default,single,single-post,postid-19644,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode-theme-ver-9.5,wpb-js-composer js-comp-ver-4.12,vc_responsive

Por Patrícia L. Paione Grinfeld

A criação dos filhos é influenciada por histórias pessoais, mas também pelo contexto sociocultural no qual estamos inseridos.  Isso explica, ao menos parcialmente, algumas tendências “atuais” de criação dos filhos, vistos por alguns como modismo. Entre elas, destaco o parto natural, a amamentação (prolongada), a cama compartilhada, o uso de slings e o método de higiene natural/EC (elimination communication).

Nenhuma dessas práticas é nova na humanidade. Nas comunidades não afetadas pelo ritmo industrial e urbano, elas continuam tão presentes hoje como foram nas tantas gerações passadas. Os documentários Babies (de Thomas Balmès) e Bébés du Monde (de Emmanuelle Nobécourt, Claire d’Harcourt e Béatrice Fontanel), por exemplo, mostram de maneira sensível e delicada a pluralidade da relação de alguns bebês do mundo com suas mães e ambiente.

Uma grande diferença entre a vida nas comunidades ditas primitivas e a vida nas cidades, contudo, reside na possibilidade da mãe (com a rede de apoio que ela dispõe – em geral outras mulheres da comunidade) estar física e emocionalmente conectada ao seu bebê ao menos no primeiro ano de vida. Essa conexão acontece em função de seu cuidadoso e observador olhar e não simplesmente pelo fato de o bebê permanecer bastante tempo junto ao corpo dela. A mãe, mesmo com seus afazeres, devota-se ao seu bebê, podendo mais facilmente reconhecer a demanda do filho através dos sinais corporais que ele emite. Como resultado, afirmam muitos autores, as condições para o desenvolvimento do bebê são favorecidas. E é este o aspecto que os tais modelos “atuais” tentam preservar ou mesmo resgatar.

Concordo com quem diz que parto natural, aleitamento materno, cama compartilhada, uso de slings e método de higiene natural não são moda. No meu entender, essas práticas estão retornando porque a própria sociedade percebeu que é necessário recuperar a conexão mãe-bebê que ficou, em muitos casos, prejudicada com a entrada e a permanência integral das mulheres no mercado de trabalho ao longo do último meio século. Conectada a tantas tarefas e funções, entre outros motivos, muitas mães não conseguiram/conseguem se conectar o suficiente aos seus filhos (sem falar nas parafernálias que entraram nessa relação também contribuindo para esse distanciamento). Como consequência, que se somam a outros modos contemporâneos de vida, temos tido o aumento da patologização, da terceirização e o encurtamento da infância.

A questão que se coloca diante dessas práticas é o quanto elas conectam mãe e bebê ou colam a mãe ao seu bebê, mais pelas necessidades maternas do que pelas necessidades do filho.

Considerando que somos movidos por desejos conscientes e inconscientes, o que impulsiona uma mãe ou casal a optar ou não por alguma dessas práticas nunca é motivado apenas por aquilo que são capazes de acessar pelas vias da razão. Assim, esses métodos de conexão podem ser muito bons para algumas duplas ou famílias, mas nada benéficos para outras.

O que leva uma mulher a não abrir mão do parto natural ou nem o cogitar, se não questões pessoais ou culturais? Apesar de todos os benefícios do aleitamento materno, por que para algumas mulheres essa prática é tão difícil ou impossível e outras a estendem por tanto tempo? Por que algumas mulheres mal conseguem ninar seus filhos e outras não os permitem, por exemplo, brincar no chão a partir dos três meses? Quais fantasias cada mãe e pai tem em relação ao bebê que tem seu próprio cantinho ou que precisa dormir com ela/ele? É possível uma devoção ao bebê tão intensa e exaustiva, ou é melhor optar por pessoas ou ferramentas que cumprem com essa função?

Essas e tantas outras perguntas estão longe de ser facilmente respondidas. Outra vez, o que nos mobiliza a uma ou outra atitude nunca nos toca apenas em nível consciente. Por isso mesmo que as respostas sinceras a essas perguntas, e as que dela derivam, são fundamentais antes e durante a adoção de qualquer atitude com os filhos.

Compreendo a militância de grupos e profissionais em prol de práticas que priorizam o vínculo materno – às vezes é preciso de muito “barulho” para que algumas pessoas reconheçam minimamente o que eles priorizam (aqui, incluo especialmente os responsáveis por políticas públicas, as quais deixam em muito a desejar no que tange à gestação e à primeira infância). No entanto, sempre teremos o efeito negativo de qualquer prática que é adotada como modelo sem que se leve em consideração cada um dos envolvidos nela.

É consenso de diversas áreas de estudo que o vínculo entre o bebê e seu adulto cuidador (em geral a mãe, mas é preciso lembrar há casos em que ela não está presente ou disponível) é essencial para seu desenvolvimento emocional, físico, cognitivo e social. Porém, um vínculo só é construído quando há presença física e disponibilidade emocional do cuidador para com o seu bebê. Não basta dar o peito, carregar no colo ou colocar o bebê para dormir na cama do casal se essas atitudes estiverem a serviço do adulto e não do bebê. Nesses casos, o risco que corremos é que o adulto se cole ao bebê como um objeto de apego. Aí, o que deveria promover o vínculo, promove algo parecido com aquele apego das coisas que não abrimos mão por nada no mundo! A relação fica invertida e o que deveria facilitar a construção da segurança afetiva transforma-se na impossibilidade de se separar do cuidador.

Educar uma criança implica no exercício contínuo de nos perguntarmos sobre o porquê de nossas escolhas. As respostas mais preciosas são aquelas que às vezes não temos coragem de responder nem a nós mesmos. No entanto, esse é o caminho para que possamos reconhecer quais necessidades são nossas e quais são da criança. Uma tarefa que começa quando ainda sonhamos em ser pai mãe.

Nota: Este texto, publicado pela primeira vez em 07/07/2014 no antigo blog Ninguém Cresce Sozinho, foi revisado e alterado minimamente em seu conteúdo original pela autora.

Imagem: Google.

1Comentário

Postar um comentário

Compartilhe este artigo