Ninguém Cresce Sozinho | A nudez dos pais diante dos filhos
18942
post-template-default,single,single-post,postid-18942,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode-theme-ver-9.5,wpb-js-composer js-comp-ver-4.12,vc_responsive

Por Patrícia L. Paione Grinfeld

Alguns pais e mães encaram a questão da sua nudez diante dos filhos com muita naturalidade: se despem total ou parcialmente diante deles, tomam banho com a prole ou andam sem roupa pela casa. Outros optam por preservar sua intimidade, não se colocando pelados na frente dos filhos, nunca ou salvo algumas exceções. A grande maioria, contudo, tem um percurso bastante parecido: enquanto a criança é bem pequena, estar vestido ou não na frente dela não faz a menor diferença. Porém, conforme ela cresce e começa a se interessar pelo próprio corpo, pelo corpo de outras crianças e pelo corpo do adulto, lançando perguntas, olhares e mãos curiosas, o que era cotidiano pode começar a causar certo incômodo e dúvidas para os adultos, especialmente em uma cultura em que o nu é da ordem do privado.

Desde muito pequena, o corpo da criança é fonte de descoberta e prazer. Chupar o dedo, brincar com partes dele, dar risada na troca da fralda, são alguns exemplos clássicos de que a manipulação do corpo é prazerosa. É uma fase em que a criança está centrada nela mesma. Por volta dos dois anos, ela já reconhece a existência do outro, passando a ter maior interesse por ele e interagindo mais com as pessoas a sua volta. Entre os três e quatro anos a criança começa a perceber as diferenças sexuais, interessando-se ainda mais pelo seu próprio corpo, pelo corpo de outra criança e pelo corpo do adulto. Guiada pela curiosidade, ela pergunta se homem usa brinco, se mulher pode ter barba; constata que há homens que têm cabelo grande e mulheres cabelo bem curtinho, e computa, em alto e bom tom, quantos “pipis” e “periquitas” têm no elevador, referindo-se ao número de homens/meninos e mulheres/meninas naquele minúsculo espaço. Não existe malícia ou vergonha. A sexualidade é um assunto como qualquer outro.

Diante do adulto nu, ou mesmo de outra criança, a criança aponta para o que balança e tenta tocar no que não tem, pelo simples interesse em conhecer as diferenças. Neste momento, em geral, os pais se perguntam: Posso ficar nu diante dos meus filhos? Até que idade o pai pode ficar pelado na frente da filha e a mãe na frente do filho? Tem algum problema a família toda tomar banho junto?

Antes de responder a estas e outras perguntas que seguem nesta direção, é importante que os pais percebam, individualmente, enquanto homem e enquanto mulher, como se sentem nus perante os filhos. Como são indivíduos diferentes, nem sempre vão sentir a mesma coisa, o que não é nenhum problema para a criança.

Problema para a criança e para toda a família surge quando o que se sente é diferente do que se vivencia diante da nudez. Existe uma inibição por parte dos pais em expor seu corpo e ainda assim, por qualquer razão (mesmo que seja a praticidade), a nudez acontece? Existe um prazer explícito ou velado, mesmo que não seja genital (o prazer sexual adulto), ao ficar nu diante dos filhos (prazer em ser bacana, em curtir um banho conjunto, em trocar a roupa do filho que já tem autonomia para se despir e vestir sozinho, etc.)?

Ainda que para os pais sua própria nudez se isente de qualquer inibição ou prazer, para a criança, estar diante do corpo adulto descoberto provoca sensações e sentimentos que ela não é capaz de nomear, como a excitação ou a identificação com o corpo do adulto. Isto lhe é bastante confuso. Por esta razão, a exposição gratuita ao nu adulto (incluindo publicidade, novelas, filmes e afins) deve ser evitada dos 3-4 anos até a adolescência, fase em que se adquire um corpo “igual” ao do pai ou da mãe.

No entanto, embora devam ser evitadas, há situações em que não há como se esquivar da nudez adulta na frente da criança, como no vestiário de um clube. Estas são situações esporádicas e não rotineiras. No dia a dia deve-se priorizar espaços privativos para a intimidade de cada membro da família. O banho, evento mais comum da exposição do corpo, deve ser da criança ou do adulto. Quando a criança ainda precisa de cuidados para se banhar, se enxugar, se despir ou se vestir, os pais devem exercê-los vestidos, mostrando que aquele é um momento da criança. Pais que usam sunga ou mães que colocam biquíni/maiô para dar banho nos filhos, por exemplo, transmitem a mensagem ambígua do mostrar sem poder mostrar, do natural-artificial. Filhos aprendem que aquelas partes do corpo são carregadas de contradição e pudor.

Não expor a criança à nudez adulta não a impedirá de continuar com suas investigações sobre as diferenças sexuais. Para isto existem seus pares, crianças da mesma idade, um pouco mais novas e um pouco mais velhas; existem livros, histórias e observações da vida real. Existe, principalmente, o momento certo de conviver com o corpo nu do adulto, que é a partir da adolescência, quando os corpos se equiparam.

Na exposição de corpos, muitas crianças se incomodam com a nudez, trilhando seu próprio caminho em busca de privacidade. Por si só, evitam estar diante do adulto nu, não aceitam ajuda na troca de roupas ou na hora do banho, trocam-se de costas, fecham portas em situações em que estão despidas. Os adultos precisam acatar este desejo de privacidade, reforçando, inclusive sua importância. Mais do que a vergonha, o que está em jogo é a intimidade, a privacidade e o cuidado e respeito ao próprio corpo e ao corpo do outro. Da mesma maneira, os momentos de intimidade dos pais precisam ser demarcados e sinalizados para que tanto a criança quanto os pais saibam quais situações são coletivas e quais são individuais.

Quando os espaços privativos para intimidade são instalados e respeitados, a criança aprende que tem coisas que são só suas e outras que podem ser compartilhadas; aprende a reconhecer o que quer ou não, o que lhe causa prazer ou não, quem pode mexer no seu corpo ou não, para quem pode mostrar o corpo ou não. Sabendo dos seus limites, a criança aprende a respeitar o próprio corpo e, consequentemente, o corpo do outro, evitando a confusão de sentimentos, a erotização precoce e situações de vulnerabilidade.

Nota: Este texto, publicado pela primeira vez em 16/08/2012 no antigo blog Ninguém Cresce Sozinho, foi revisado e alterado minimamente em seu conteúdo original pela autora.

Imagem: Google.

Se você quiser falar sobre este tema, entre em contato para agendar uma consulta!

 

15 Comentários
  • Alice
    Postado às 21:26h, 12 maio

    Minha filha não se incomoda em expor os seios para qualquer pessoa da família e, inclusive, tem momentos que ela, do nada, brincando com a roupa, expoe o seio, de maneira deliberada. Sendo que ela já tem 11 anos e suas mamas estão se desenvolvendo. Isso é normal? Me incomoda muito, pois não existe momento e lugar, para ela. E ela faz isso com tanta frequência, que parece que o objetivo dela é mostrar o seio. Será que estou sendo meio maluca com esse pensamento? Ou, de fato, pode existir essa vontade nela de exibir seus seios? Se sim, quais seriam algumas possíveis razões para ela ter esse tipo de comportamento?

    • Patrícia L. Paione Grinfeld
      Postado às 08:08h, 14 maio

      Alice, sem conhecer a criança, não temos como dizer o que a leva ter este comportamento. Já pensou em conversar com ela sobre o assunto?

  • Jozyanne Duarte
    Postado às 22:32h, 16 fevereiro

    Minha filha tem 2anos e tem muita curiosidade de ver oque o pai dela esconde na sunga…fico me perguntando oque devo fazer a respeito? como devemos agir

    • Patrícia L. Paione Grinfeld
      Postado às 07:24h, 19 fevereiro

      Jozyanne, se tem algo que é escondido, a criança sempre vai querer saber por que se esconde. Nós, adultos, precisamos dizer para ela o motivo para que ela possa compreendê-lo. Neste caso, pode haver mais de um motivo; por exemplo, vergonha, dúvida de se pode ou não ficar nu em frente da filha, medo de que a filha toque no genital do pai, insegurança por não saber como a criança vai reagir, etc. Não há nada de mau em conversar com a criança sobre eles. Isso, inclusive, a ajuda a ir entendendo que há limites em relação ao próprio corpo e ao corpo do outro.

  • Ivanílson Santos
    Postado às 09:28h, 20 janeiro

    É de extrema importância abordarmos este tema, tendo em vista que cada família tem sua cultura e em muitas, isto é visto como um tabu. Acredito que em cada fase do desenvolvimento da criança a mesma encara com certa naturalidade, obviamente que com o seu desenvolvimento e crescimento ela vai conseguindo discernir entre a sua forma natural de se portar e a sua privacidade, bem como o despertar da sexualidade o que vem de encontro com a sua intimidade e visão de mundo. Enfim, cabe a cada núcleo saber lidar de forma saudável este momento.

  • Francineide Ester Pereira
    Postado às 08:33h, 22 novembro

    Meu filho de 6 anos, está com mania de perguntar a cor da minha calcinha, quando estou de saia ele quer abaixar-se para vê-la, o mesmo ele faz com minha mãe de 67 anos. O que fazer nessa situação?

    • Patrícia L. Paione Grinfeld
      Postado às 10:12h, 22 novembro

      Francineide, será que o que ele quer saber é a cor da calcinha ou descobrir o que a calcinha esconde? Pela idade do seu filho é possível que ele esteja querendo entender sobre as diferenças sexuais (entre homens e mulheres). Livros infantis são um bom recurso para ajudar nesse entendimento.

      • Francineide Ester Pereira
        Postado às 12:10h, 23 novembro

        Boa tarde e obrigada.
        Separei para hoje, uns desenhos do crescimento do corpo do homem e da mulher para mostrar a diferença entre os corpos, e deixar livre para perguntas, tirar dúvidas. Veremos no vai dar e comentarei aqui. Obrigada

  • Adriana de Almeida Prado
    Postado às 00:20h, 13 outubro

    Muito esclarecedor o texto! Acho que é muito comum o pensamento de que quanto mais agirmos com naturalidade em relação ao nu (ficando nu) mais naturalmente a criança vai lidando com isso. E o textos nos coloca devidamente nessa questão sob a perspectiva da criança ao dizer que “estar diante do corpo adulto descoberto provoca sensações e sentimentos que ela não é capaz de nomear, como a excitação ou a identificação com o corpo do adulto. Isto lhe é bastante confuso” etc.
    E também ao colocar referência quanto a idade para esse tipo de exposição, deixa tudo mais objetivo. Obrigada!

  • Maria Luíza barros
    Postado às 22:25h, 29 agosto

    Então…. Nunca pensei na questão da vulnerabilidade. Aqui temos o costume de em casa ficarmos nus ou com pouca roupa… Mas o texto foi bem claro que na nossa visão não há maldade nenhuma… Mas somos adultos melhores resolvidos neh? ( ao menos em tese).
    Há uma lógica muito melhor embasada do que a minha lógica que presava pelo natural e Tb pela praticidade como vc disse.
    Fiquei porém com outra questão…. A amamentação prolongada pode ser prejudicial psicologicamente Tb a partir dos 3 anos?
    Mais uma vez ótimo texto, direto, franco é bem escrito!

    • Patrícia L. Paione Grinfeld
      Postado às 09:43h, 30 agosto

      Maria Luiza, penso que uma pergunta necessária para a amamentação prolongada é “o que ela prolonga?”. Cada dupla mãe-bebê e cada família encontrará uma resposta diferente a esta pergunta e, só a partir das respostas é que poderemos pensar quais os ganhos e perdas em cada situação.

  • maria Luiza barros
    Postado às 15:44h, 29 agosto

    Que interessante o texto! eu achava ao contrário, que ao mostrar o quanto é natural ele acharia natural….
    Aqui não temos pudores quanto ao nu … penso ser natural quando se esta em casa…..
    Meu filho fará 03 anos.
    Este texto me fez repensar as coisas….. afinal quero que as coisas sejam saudáveis para ele,

    • Patrícia L. Paione Grinfeld
      Postado às 16:50h, 29 agosto

      Maria Luiza, a possibilidade de pensar e repensar é um indicador de saúde (as coisas precisam fazer sentido para a família e cada um de seus membros em separado). Se quiser compartilhar conosco as reflexões que o texto te trouxe, será muito bem-vinda!

Compartilhe este artigo